Castro Soromenho

20/06/2015

Teatro: A força do Lukano

Do Jornal de Angola:

“o espectáculo “A força do Lukano”, do grupo Tic Tac, sobre a ascensão do império Lunda, encenado com base nos textos de Pepetela, Castro Soromenho e Manzambe Fernandes.
O assistente de encenação do grupo, Nelson Gonçalves, disse que a peça foi adaptada por Dom Pedro e Orlando Domingos, que procuraram respeitar os textos originais e preservar o pensamento dos três autores, apesar de alguns pequenos enquadramentos cénicos. O espectáculo, conta, é uma adaptação das aventuras e do drama da rainha Lunda, Lueji, que ascendeu ao poder numa época em que as mulheres não podiam governar. “Desta forma vamos também incentivar a luta pela emancipação das mulheres e mostrar a sua importância na formação de um império, mas também de uma sociedade, pois hoje elas têm um papel muito activo nas suas famílias”, defendeu.”

http://jornaldeangola.sapo.ao/cultura/danca_e_teatro/fabulas_e_lukano_da_lunda_sao_destaques

http://jornaldeangola.sapo.ao/cultura/teatro/kulonga_exibe_peca_em_maputo

https://www.youtube.com/watch?v=j_MVC_hmXR0

Anúncios

04/06/2015

José Augusto França – Castro Soromenho: nota brevíssima à sua memória

“Castro Soromenho representa, na literatura contemporânea portuguesa, um caso único, em sua temática africana, pelo valor romanesco e pela situação ideológica de sua obra. Assim diria, como diz, qualquer história da literatura.

Mas esta África, ou esta Angola, ou esta Lunda, que nela se identifica, tem uma dupla máscara, do viver nativo e do viver colonizador […]”

Pdf: África: Revista do Centro de Estudos Africanos, USP, 11(1): 3-4, 1988.

Gerald Moser – Interlúdio norteamericano – 1960/1961.

“RESUMO: A vida e a obra de Castro Soromenho no decorrer da sua estada, como professor, na Universidade de Wisconsin (dezembro de 1960 a junho de 1961), através do depoimento de amigos e da viúva, Dona Mercedes, como elementos significativos para traçar a personalidade do escritor, são o fulcro central desta comunicação.”

 

Pdf: África: Revista do Centro de Estudos Africanos, USP, 11(1), 37-43, 1988.

Celso José Loge – Castro Soromenho e a realidade africana

“[…] o que nesses livros é tratado não poderia ser expresso – digamos, com as mesma dimensões – pela reportagem? Neles foram levantados e resolvidos problemas no plano próprio da arte, ou, pelo contrário, no da sociologia?

O nosso objetivo contudo, não é responder a essa problemática concernente à filosofia da arte, mas tentar captar os elementos da resposta contidos na situação do autor diante dessa questão.

[…]

O ideal estético está socialmente condicionado, é histórico porque depende das relações econômicas e sociais, das concepções políticas, das idéias morais, etc. Posto que as condições de vida e as idéias dos homens são diferentes, também mudam os ideais estéticos e mudam com o desenvolvimento da sociedade, também mudam os ideais estéticos, isto é, o critério para valorizar esteticamente os fenômenos da realidade e as obras de arte.

Georg Lukács afirmou que ‘em arte, quando se tem algo a dizer é preciso encontrar a forma conveniente para fazê-lo. Neste ponto sou conservador’.

Castro Soromenho tem algo a dizer. Tem uma questão ‘razoável a colocar’ […] E é a própria ‘questão razoável’, ou seja, a realidade africana que fornece ao autor a forma adequada para se expressar. Uma linguagem seca, agressiva, dura, áspera como a própria África.”

Pdf: África: Revista do Centro de Estudos Africanos da USP, 1 (1), 27-40, 1978.

Manuel dos Santos Lima – Evocação de Castro Soromenho

“Há uma rua em S. Paulo e outra em Cascais, a lembrar-nos Castro Soromenho. Dir-se-ia ontem e já lá vão vinte anos que o perdemos. Foi-se o amigo, permanece o escritor no seu posto de grande solitário. E isto poque ao fim e ao cabo Soromenho continua ainda a ser um autor de dois mundos […]”

 

Pdf: África: Revista do Centro de Estudos Africanos, USP, 11(1): 5-7, 1988.

Laura Cavalcanti Padilha – Um pacto de amizade: a tradição oral revisitada

“RESUMO: Tradição oral, narração e narrador e suas leituras na primeira fase da obra de Castro Soromenho constituem o eixo central do texto. A intenção literária do autor e a solução estética do texto são postas em relevo face à oralidade.”

Pdf: África: Revista do Centro de Estudos Africanos, USP, 11(1): 9-20, 1988.

Carlos Alberto Iannone – Aspectos da descrição de personagens na trilogia de Camaxilo

“RESUMO: O papel dos personagens na segunda fase da obra de Castro Soromenho e as várias leituras possíveis na perspectiva das fases existenciais desses personagens constituem o eixo da caracterização a partir de sua descrição.”

 

Pdf: África: Revista do Centro de Estudos Africanos, USP, 11(1) 21-30, 1988.

José Carlos Venâncio – Uma abordagem (possível e etnológica) do texto literário escrito

“RESUMO: A partir de uma revisão teórica de alguns textos relativos às possíveis leituras do texto literário escrito, o autor, a título de exemplo, utiliza trechos da obra do poeta angolano José da Silva Maia Ferreira e do romancista Castro Soromenho para exemplificar sua hipótese relativa a uma leitura ideológica.”

Pdf: África: Revista do Centro de Estudos Africanos, USP, 11(1), 137-142, 1988.

Fernando A. A. Mourão, Claudio A. Furtado e Francisco Valente – Bibliografia sobre Fernando Monteiro de Castro Soromenho

Neste e nos próximos sete posts, relacionamos trabalhos publicados sobre Castro Soromenho na revista África do Centro de Estudos Africanos da USP. Iniciamos com uma bibliografia que se tornou obra de referência obrigatória para os estudos a respeito do escritor.

Pdf: África: Revista do Centro de Estudos Africanos, USP, 11(1), 165-186, 1988.

03/06/2015

Alexandre Pinheiro Torres – Propedêutica à “Trilogia de Camaxilo”, de Castro Soromenho

“Ultrapassada a fase de estudo do Negro, praticamente fora do contacto do Branco, com o objectivo de revelar valores humanos, sociais e culturais que lhe são específicos, demitindo pois, na esteira de Frobenius, a pressuposição de que o indígena africano nada mais seria que um macaco superior excelentemente dotado, fase que vai de Nhári, 1938, até Calenga, 1945, passando por Noite de Angústia, 1939, Homens sem Caminho, 1942, e Rajada e Outras Histórias, 1943, Castro Soromenho (1910-1968), nascido em Chinde, Moçambique, mas tendo vivido longos anos no Nordeste de Angola, havia de completar com Terra Morta, 1949, Viragem, 1957, e A Chaga, 1970, aquilo a que me permito denominar de Trilogia de Camaxilo.”

 

O clássico artigo de Alexandre Pinheiro Torres, publicado na Colóquio – Letras, n. 39, setembro de 1977, da Fundação Calouste Gulbenkian, está disponível no sítio da revista (aqui).

 

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.