Castro Soromenho

03/06/2015

Alexandre Pinheiro Torres – Propedêutica à “Trilogia de Camaxilo”, de Castro Soromenho

“Ultrapassada a fase de estudo do Negro, praticamente fora do contacto do Branco, com o objectivo de revelar valores humanos, sociais e culturais que lhe são específicos, demitindo pois, na esteira de Frobenius, a pressuposição de que o indígena africano nada mais seria que um macaco superior excelentemente dotado, fase que vai de Nhári, 1938, até Calenga, 1945, passando por Noite de Angústia, 1939, Homens sem Caminho, 1942, e Rajada e Outras Histórias, 1943, Castro Soromenho (1910-1968), nascido em Chinde, Moçambique, mas tendo vivido longos anos no Nordeste de Angola, havia de completar com Terra Morta, 1949, Viragem, 1957, e A Chaga, 1970, aquilo a que me permito denominar de Trilogia de Camaxilo.”

 

O clássico artigo de Alexandre Pinheiro Torres, publicado na Colóquio – Letras, n. 39, setembro de 1977, da Fundação Calouste Gulbenkian, está disponível no sítio da revista (aqui).

 

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: