Castro Soromenho

12/09/2017

Thiago Mio Salla – Graciliano Ramos do outro lado do Atlântico

Graciliano Ramos do outro lado do Atlântico: a difusão e a recepção da obra do autor de Vidas Secas em Portugal entre as décadas de 1930 e 1950. 

Resumo:

“O presente trabalho tem como objetivo estudar as diferentes facetas da recepção e da divulgação da obra de Graciliano Ramos em Portugal ao longo dos anos de 1930, 1940 e 1950. Trata-se de um período marcado, entre outros aspectos, 1) pela ampliação, em termos editoriais, da indústria do livro brasileira, o que teria dado início a um processo de inversão de influência tipográfica entre Portugal e Brasil; 2) pela emergência, no âmbito artístico, do neorrealismo luso e pela singular presença da literatura brasileira em terras portuguesas; 3) e, em termos políticos e culturais, pelo esforço de aproximação formal entre os governos de Getúlio e Salazar. Com ênfase nas dimensões jornalística, epistolar e editorial relativas à chegada e à ressonância de Graciliano em Portugal, procurou-se observar como, para além de leituras e apropriações neorrealistas, presencistas e estadonovistas, as produções do autor alagoano se firmaram no panorama cultural português e consolidaram seu nome como um dos principais prosadores de nosso idioma.”

A tese de doutorado de Thiago Mio Salla, orientada por Paulo Fernando da Motta de Oliveira, recebeu Menção Honrosa no Prêmio Tese Destaque USP 2017.

(http://www.prpg.usp.br/index.php/pt-br/noticias/4444-resultado-do-premio-tese-destaque-usp-2017).

 

O texto completo na Biblioteca Digital USP: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-17082016-122106/pt-br.php .

 

Para os pesquisadores interessados em Castro Soromenho, a tese aborda um aspecto pouco investigado das atividades do escritor: o papel de Castro Soromenho na divulgação e tentativa de publicação em Portugal da obra de Graciliano e outros escritores brasileiros.

Thiago Mio Salla organizou, com Ieda Lebensztayn, o livro Conversas – Graciliano Ramos.

 

 

Anúncios

16/04/2010

Benjamin Abdala Junior – Terra morta e outras terras: sistemas literários nacionais e o macrossistema literário da língua portuguesa

“Este texto se insere num projeto mais amplo de definir critérios para o comparatismo entre as literaturas de língua portuguesa. É nossa intenção discutir aqui as articulações entre sistema literário nacional e o campo intelectual, colocando como referência sobretudo o romance Terra morta, de Castro Soromenho, tendo em vista mostrar o caráter dinamizador do “campo intelectual” – conceito apropriado a nossa maneira de Pierre Bourdieu – em relação aos sistemas literários nacionais dos países de língua portuguesa.”

O artigo do professor Benjamin Abdala Junior está disponível no sítio da Associação Internacional de Lusitanistas, revista Veredas, número 3, tomo- II, pp. 523-536  (aqui).

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.